top of page
Search
  • Writer's pictureGiulia Drummond

As life took me to the people I needed to meet...


(Português abaixo)

Photo: Bel Acosta

Now I must talk about the people I met that helped me build my practice. In 2014 I was taken to meet Alba Lirio, and started going to her Yoga of the Voice sessions every Monday in Rio de Janeiro. For about a year and a half, I was very dedicated to learning some of this beautiful method developed by Silvia Nakkach, which she exposes brilliantly in her book “Free Your Voice: Awaken To Life Through Singing”. With both Alba Lirio and Silvia Nakkach I learned a lot about singing in a devoted way. And through this practice of Yoga of the Voice, I could clearly notice my voice changing, gaining body, gaining depth, maturing. I’ll be always grateful for everything I learned from them, and

I take it with me everywhere I go.


Here’s a wee story that took place during the Vox Mundi Summer Retreat, that Silvia promotes every year in the mountains of Santa Cruz, California. One of the optional activities was a songwriting workshop. I wasn’t writing songs yet, and I really really wanted to be able to do that. So, I think it was Hillary Reed who was running the workshop. She taught us some tools to write songs, and then divided us in small groups to try and create something together. One interesting thing about my group, that I only noticed many months after, was how much each one of those women could represent a part of me. There was Janetta, a very strong black woman, always dressed in many many colors. There was Margareth, a kind and joyful Irish woman. There was Mikelle, a sweet princess-looking woman, very delicate and elegant. There was Deva Vani, who was our leader (every group had an experienced songwriter to help). So, yeah, she’s a professional singer songwriter. The part of me that I was there to develop. And she’s an Aquarius, like me. But well, there was also Vicky, a psychologist. She seemed very serious and very shy. The six of us left the larger room and went outside to work on our song. Deva Vani asked if any of us would like to start with a rhythm. Vicky said she had a rhythm, and she started with her egg shaker. She gave us the rhythm. Deva Vani then asked if any of us felt a melody. A short sequence of five notes came out of my lips, they all repeated it. Deva Vani brought the first words: “We are going home”, which we all changed - without saying anything, very naturally - to “We are coming home”. Then the rest of the melody and lyrics came to me, and I sang “People from the stars, we are coming home”. And we sang that mysterious mantra for quite a few minutes, building harmonies and canones, getting goosebumps all over our bodies... When we finally stopped, we were all looking at each other, mesmerised, and Vicky was smiling. She touched my arm and said “You were very intuitive, I never told you about this, but I got this rhythm from my spiritual guide, which I call The Star Woman.

I named this chant “viva o povo das estrelas!”, and it’s on my first album balão de poemagia, on the voice of exactly six women, as in the moment it was born.

If you want to have a listen:

Those were crazy years for me, many things happening.

I started singing with two friends of mine: Pedro Costa and Rique Meirelles. Well, we never actually got to show our music to the world. We had some beautiful magical rehearsals… but no one ever saw what we were working on. Singing with them, I started using this term Magical Music, for I couldn't find no other way to define what we were doing. The idea was to create original songs, with a celtic atmosphere. When they invited me to be the voice of this project of theirs, I wrote my first actual song: mãe d’água, which is also the first track on my first album, in which Pedro and Rique actually play, such a joy!




Around the same time, my good friend and partner Thiago Sobral introduced me to two amazing Brazilian artists: Luhli and Lucina, singers, songwriters, and amazing drummers. He was working on a documentary about them, a film called Yorimatã, directed by Rafael Saar. I fell completely in love with the music these women created together, and started to sing those songs, in a duo with Sobral: Duo Pedra de Rio. I went to look for these women, I felt I needed to be around them and learn from them. I understood that the music they did was completely different from anything I’d heard before. I got in touch with Lucina, who lived not far from me in Rio. Ask her to teach me to play the drum. In Portuguese, tambor. She agreed. She taught me about the magical powers of the drum. How different rhythms would provoke many different effects on people who heard it, who danced to it. She explained me the responsibility in that. After she noticed I was already in an advanced level on the tambor, she started teaching me about songwriting. I wrote more than thirty songs with her help. And the first ten became my first album, balão de poemagia - which means something like poemagic balloon. The album has fourteen tracks: these ten first songs I wrote with Lucina’s help, one song written by Luhli, one song written by Sérgio Pererê and the two I mentioned before: viva o povo das estrelas! and mãe d’água.

Singing with Luhli. Photo by Marcella Azal

So, soon after I began learning from Lucina, I went looking for Luhli. Luhli lived outside of Rio, in a magical village surrounded by nature, called Lumiar, where she was the center of a small but very loyal artistic community. She built drums, conducted a choir, did monthly gigs, wrote songs as birthday gifs... And she completely opened her arms for me. I would go to stay with her once a month and she would share some of her endless magic with me. She was very happy to have me there, she said “every witch needs an apprentice” and she recognized me as the apprentice she had been waiting for. While Lucina was giving me tools to write and play the songs, Luhli was giving me the fairy dust recipe, and giving her blessing to what I was developing, especially there, in Lumiar, where I went to live in 2017.

In Brazil, we call our popular music MPB - Música Popular Brasileira. But Luhli said I couldn’t be considered MPB. She said I was doing MMB - Música Mágica Brasileira. She said she had never met anyone with such a dedication to the magic side of music, outside of a religious context. And that she was glad to pass on to me her magical music knowledge. She was the most amazing musician and witch. Sadly, she passed in September 2018, leaving behind a community built on the loving shadow of the powerful tree she was. She used to say that the practice of magic is about manipulating invisible forces. Therefore, every musician is more or less of a wizard, depending on how much one understands it. So, that answers something that I get asked many times when I say I do magical music: “But isn’t music always magical?”. Yes. I think music is a magic power itself. The difference is that I have a deep research on that aspect of it. Well. That's not the only difference. Also some other things. That’s what I’m trying to share with you all in this little blog.


Through Luhli, I met two of the women who gave me the first opportunities to bring my music to a ritual space. First, Palmira Margarida. I met Palmira on Luhli's 71st birthday, a lovely garden party, with lots of music going on. I sang a few songs and Palmira came to talk to me. She said she had this neurological condition called synesthesia. She said she mixed the senses, and she could, for example, smell colors. She then said that some sounds could also trigger her synesthesia strongly, and that my voice was one of them. She said she was a historian and also perfumist, and she developed a research relating different archetypes with plants and smells. So, she invited me to sing on some of the classes she offered to women. She asked me to sing the smells. And to sing in the ritual for consecrating the perfumes the students would make, inspired by the archetypes of goddesses. I was completely in love with the task. She explained me a bit of this amazing alchemy of making perfumes, so I could understand what to look for, musically, to bring to the classes. She explained that, like Music, perfumes have low, medium and high notes. From there, I started looking on my repertoire which songs could best match the description she gave me on these different notes in a perfume. That was the start of a long partnership that lasts til this day.

Here is a video of me on Palmira's course:








The other partner I have is Nathália Lima Verde. Actually, we didn’t really meet through Luhli. Our first encounter was on a show I did with a band called Xanaxou, an all female feminist band. I got into that band through another precious partner, Mãeana, an amazingly crazy singer-witch, and on our first actual show, in 2016, each one of us went dressed as a female archetype we wanted to honor. I was dressed as some kind of Avalon priestess. That night, I had a high fever, I performed the whole show almost fainting, I was so weak. I had to sit during most of the time, only getting up on my solos, to deliver them with full power. In the end of the show, I was feeling between wonderful and awful, because of the fever. But outside the room, there she was. Nathália. She said many beautiful things to me. It was one of the first times I felt someone really understood what I was doing. She said her grandmother was a healer. In Brazil, we have this beautiful archetype of “benzedeiras” and “rezadeiras”, women who heal with prayers and a wise use of herbs, which is a knowledge that passes on through generations. Her grandmother was one of these women, and she was researching ways of bringing this kind of magic to her work. She’s an actress. She thanked me for representing this archetype she identified herself and her grandmother with. We said we should keep it touch. Didn’t happen. We met again on Luhli’s 72nd birthday. There I was, singing with Luhli, and in the end Nathália came to talk to me, asked if I remembered her. Of course I did. She said she was developing a beautiful work, women’s circles for sharing with each other, help each other heal, in many ways. She invited me to come to one of these. I went. It was absolutely magical. I was very sick at that time, for weeks, and her magic conduction very literally helped me heal from a physical disease that was clearly motivated by emotional issues, and being cared for in her Concha ended that difficult cycle. I was sick all night after the meeting. The next day, I felt great as I hadn’t for weeks.

From there, I started going to her circles, and singing on it. We developed a very sensitive, delicate partnership. She would conduct the circle and give me very subtle signs that I should start singing something. And magically, I always knew exactly what to sing in that exact moment. Nothing was ever rehearsed. So, one of the things that I know is very useful in this kind of work is having an extensive repertoire. She would be saying something about the healing power of water, I would have many options of songs about the water. About the stars. About love. About community. I would help creating the atmosphere for magic to happen. My voice would conduct powerful energies. It’s important being aware of this power when you do music. Especially if you wanna do Magic Music.


I Imersão CONCHA (Photo: Helena Cooper)

Agora em português:

Neste momento, quero falar das pessoas que conheci e que me ajudaram a construir minha prática. Em 2014, eu fui levada para conhecer Alba Lirio, e comecei a ir às suas sessões de Yoga da Voz toda segunda na Lapa. Por aproximadamente um ano e meio, eu me dediquei intensamente a aprender um pouco deste método belíssimo desenvolvido por Silvia Nakkach, que ela expõe brilhantemente em seu livro “Solte a Voz: e saia pela vida cantando”. Com Alba e também com Silvia eu aprendi muito sobre cantar como uma forma de devoção. E através dessa prática da Yoga da Voz, eu pude claramente perceber minha voz mudando, ganhando corpo, profundidade, literalmente madurando. Sempre serei grata pelo que aprendi com essas mulheres, e levo esse aprendizado sempre comigo, aonde eu for.


Aproveito pra contar uma historinha (ou uma grande pequena história, pequena grande história) que aconteceu durante o Vox Mundi Summer Retreat, retiro que Silvia promove todo ano nas montanhas de Santa Cruz, na Califórnia. Uma das atividades opcionais era uma oficina de composição. Eu ainda não escrevia canções, e queria muito fazê-lo. Acho que quem conduziu a oficina foi Hilary Reed. Ela nos ensinou algumas ferramentas para escrever canções e então nos dividiu em pequenos grupos para criarmos algo juntos. Uma coisa interessante sobre meu grupo, que eu só notei muitos meses depois, era o quanto cada uma daquelas mulheres poderia representar uma parte de mim. Havia Janetta, uma mulher negra e forte, sempre muito muito colorida. Havia Margareth, uma gentil e alegre senhora irlandesa. Havia Mikelle, uma mulher doce com jeitos de princesa, delicada e elegante. Havia Deva Vani, que era nossa líder (todo grupo contava com alguém que já tivesse experiência em composição, para guiar). Então, sim, de nós ela era a cantora e compositora profissional. A parte de mim que eu estava ali pra desenvolver. E ela ainda é aquariana, como eu. Mas enfim, havia também a Vicky, que era psicóloga. Ela parecia muito séria e tímida. Nós seis deixamos a sala grande e fomos para o lado de fora trabalhar na nossa canção. Deva Vani perguntou se alguma de nós queria começar dando o ritmo. Vicky disse que tinha um ritmo, e começou a fazê-lo com o chocalho ovinho que tinha na mão. Ela nos deu o ritmo. Deva Vani então perguntou se alguma de nós sentia uma melodia. Uma pequena sequência de cinco notas saiu dos meus lábios, e todas elas repetiram. Deva Vani trouxe as primeiras palavras: “We are going home” - que significa “Estamos indo pra casa” - e todas nós, sem combinar, de forma totalmente orgânica, mudamos para “We are coming home” - “Nós estamos vindo pra casa”. Então o resto da melodia e da letra me vieram, e eu cantei “People from the stars, we are coming home” - “povo das estrelas, estamos vindo pra casa”. E nós cantamos aquele misterioso mantra por alguns minutos, fazendo harmonias, contra-cantos, cânones, nos arrepiando inteiras… Quando finalmente paramos, olhamos umas pras outras, atônitas, e Vicky estava sorrindo. Eu não a vira sorrir até aquele momento. Ela tocou meu braço e disse “Você foi muito intuitiva, eu não tinha comentado nada com vocês, mas esse ritmo eu ganhei da minha guia espiritual que eu chamo de Star Woman” (Mulher Estrela, ou Mulher das Estrelas). Batizei este cântico “viva o povo das estrelas!”, e está no meu primeiro álbum, balão de poemagia. Ouça aqui:




Aqueles foram anos loucos pra mim, muitas coisas acontecendo.

Eu comecei a cantar com dois amigos queridos: Pedro Costa e Rique Meirelles. Bom, nós nunca chegamos a de fato colocar nosso bloco na rua. Tivemos alguns lindos ensaios, mas ninguém nunca chegou a ver o que estávamos tramando. Foi cantando com eles que comecei a usar o termo Música Mágica, porque não conseguia encontrar nenhuma outra forma de de definir o que estávamos fazendo. A ideia era criar canções originais, com uma atmosfera céltica. Quando eles me convidaram para ser a voz desse projeto deles, foi quando de fato escrevi minha primeira canção, mãe d’água, que é também a primeira faixa do meu primeiro álbum. Pedro e Rique estão na faixa. Pelo menos ali, pudemos materializar nossa parceria. Ouça aqui:





Por volta da mesma época, meu querido amigo e parceiro Thiago Sobral me apresentou a duas incríveis artistas brasileiras: Luhli e Lucina. Cantoras, compositoras, fabulosas tamborzeiras. Ele estava trabalhando em um documentário sobre elas, um filme chamado Yorimatã, dirigido por Rafael Saar. Eu me apaixonei perdidamente pela música que essas mulheres criavam juntas, e comecei a cantar essas canções em um duo com o Sobral: Duo Pedra de Rio. Enfim, fui procurar estas mulheres, senti que precisava estar próxima delas e aprender com elas. Primeiramente fiz contato com Lucina, que morava perto de mim, no Rio de Janeiro. Pedi que ela me ensinasse a tocar tambor. Ela topou. Ensinou-me sobre os poderes mágicos do tambor, sobre como diferentes ritmos podem provocar muitos diferentes efeitos nas pessoas que os ouvem, que dançam... Ela me explicou a responsabilidade que isso implica. Quando ela notou que eu havia alcançado um nível avançado de tambor, começou a me ensinar sobre composição. Eu escrevi mais de 30 canções com sua ajuda. E as dez primeiras se tornaram meu primeiro álbum “balão de poemagia”. O álbum tem 14 faixas: essas dez primeiras canções que escrevi em aula com Lucina, uma canção de Luhli, uma canção de Sérgio Pererê e as duas que mencionei anteriormente: mãe d’água e viva o povo das estrelas!.

Luhli e eu. Foto: Marcella Azal

Assim, pouco depois que comecei a aprender com Lucina, fui procurar a Luhli. Luhli morava fora do Rio, em um vilarejo mágico cercado por natureza chamado Lumiar. E ela abriu seus braços pra mim. Eu ia uma vez por mês passar um fim de semana na casa dela e ela compartilhava comigo um pouco da sua inesgotável magia. Ela gostava de me receber, dizia que “toda bruxa precisa de uma aprendiz” e reconhecia em mim a aprendiz que ela aguardava. Enquanto Lucina me dava ferramentas para escrever e executar canções, Luhli me dava a receita do pó de pirlimpimpim, e dava sua bênção ao meu trabalho que eu desenvolvi tanto ali, em Lumiar, para onde me mudei em 2017.

Luhli dizia que minha música não era MPB. Dizia que o que eu fazia era MMB - Música Mágica Brasileira. Ela disse que nunca conhecera outra pessoa que tivesse tamanha dedicação a esse lado mágico da música. E que ela ficava feliz em me transmitir seu conhecimento de música mágica. Ela era uma musicista e maga incrível. Infelizmente, ela partiu dessa dimensão em setembro de 2018, deixando pra trás uma comunidade construída à sombra da linda árvore que ela era. Luhli dizia que a prática da magia tem a ver com manipular forças invisíveis. Portanto, todo músico é mais ou menos mago, dependendo do quanto assume. Então, isso responde algo que me perguntam muitas vezes quando eu digo que faço música mágica: “Mas toda música não é mágica?”. Sim. Acho que a Música é um poder mágico por si só. A diferença é a profunda pesquisa a que me dedico sobre esse aspecto específico. Bom, não só isso. Isso é uma parte da resposta. Mas tudo isso é o que estou tentando compartilhar nesse despretensioso blog.


Através da Luhli, conheci duas das mulheres que me deram as primeiras oportunidades de trazer minha música a um contexto ritual. A primeira foi Palmira Margarida. Eu conheci Palmira no aniversário de 72 anos da Luhli, que foi uma deliciosa festa no jardim, com muita música. Eu cantei algumas canções e Palmira veio falar comigo. Ela me disse ter uma certa condição neurológica chamada sinestesia. Uma mistura dos sentidos. No caso dela, a sinestesia especialmente conectada aos cheiros. Ela disse poder cheirar cores, por exemplo. E então disse que alguns sons também podiam estimular fortemente sua sinestesia, e que minha voz causara este efeito. Palmira me contou ser historiadora e também criadora de perfumes, contou que desenvolvia uma pesquisa relacionando diferentes arquétipos com plantas e cheiros. Então, ela me convidou para cantar em algumas das aulas que ela dava para mulheres. Ela me pediu para cantar os cheiros. E também me pediu que cantasse no ritual de consagração dos perfumes criados pelas alunas, perfumes inspirados em arquétipos de deusas. Eu fiquei deslumbrada com a proposta. Ela me explicou um pouco sobre a incrível alquimia de fazer perfumes para eu que eu pudesse entender o que buscar, musicalmente, para trazer para as aulas. Aprendi com ela que, como a Música, perfumes têm notas baixas, médias e altas. Dali, eu comecei a buscar no meu repertório que canções melhor se encaixariam na descrição que ela me deu dessas diferentes notas em um perfume. E assim começou uma longa parceria que dura até hoje. Aqui um vídeo da minha participação em seu curso:



Minha outra parceira é Nathália Lima Verde. Na verdade, não nos conhecemos através da Luhli. Nosso primeiro encontro foi no primeiro show de uma banda de que fiz parte chamada Xanaxou, uma banda 100% feminina e feminista. Eu entrei nessa banda através de outra preciosa parceira: a Mãeana, maravilhosamente louca cantora-bruxa, e aquele foi nosso primeiro show - cada uma de nós vestida do arquétipo feminino que quiséssemos honrar. Eu estava vestida como uma espécie de sacerdotisa de Avalon. Naquela noite, eu estava com uma febre alta, fiz o show inteiro quase desmaiando de tão fraca. Tive que sentar durante a maior parte do tempo, levantando apenas em meus solos, para performá-los em potência máxima. No fim do show, eu estava me sentindo algo entre incrível e horrível, por causa da febre. Mas do lado de fora da sala de show, estava ela. Nathália. Ela me disse muitas coisas maravilhosas. Foi uma das primeiras vezes em que senti alguém verdadeiramente entendendo o que eu estava fazendo. Ela disse que sua avó era benzedeira e que ela própria agora estava pesquisando formas de trazer essa poderosa e mágica tradição para seu trabalho artístico. Ela me agradeceu por representar esse arquétipo com o qual ela identifica a si mesma e suas ancestrais. Falamos em manter contato. Mas não aconteceu. Nos encontramos novamente anos depois, no aniversário de 72 anos da Luhli. Lá estava eu, cantando com Luhli, e no fim, Nathália veio falar comigo, perguntou se eu lembrava dela. Claro que sim! Ela disse que estava desenvolvendo um lindo trabalho, círculos de mulheres, para compartilharmos curas, de diversas formas. Ela me convidou para um desses encontros. Fui. E foi absolutamente mágico. Na época, eu estava muito doente, uma questão digestiva que já durava semanas, e a condução mágica da Nathália literalmente me ajudou a sair daquele estado de doença física claramente motivada por questões emocionais, e ser cuidada na Concha encerrou aquele doloroso ciclo. Eu fiquei bastante mal na noite seguinte ao encontro. E no dia depois, me senti ótima, como não sentia havia semanas.

A partir dali, comecei a frequentar os círculos e me tornei parceira, fazendo a trilha sonora ao vivo para a magia acontecer. Eu e Nathália desenvolvemos uma parceria muito sensível e delicada. Conforme ela conduzia os círculos, me dava sinais sutis de que era o momento da música entrar. Magicamente, eu sempre sabia exatamente o que cantar em cada momento. Nada nunca foi ensaiado. Então, devo dizer que uma das coisas que considero muito úteis nesse tipo de trabalho é ter um extenso repertório. Se ela dissesse algo sobre o poder curativo das águas, eu teria diversas opções de canções sobre água. Ou sobre estrelas. Sobre amor. Sobre comunidade. A Música Mágica ajuda a criar a atmosfera, é uma condutora. Minha voz ganhou a função de conduzir energias poderosas. Assim, é importante estar ciente desse poder quando se faz música. Especialmente se você quer fazer Música Mágica.


II Imersão Concha (Foto: Helena Cooper)


40 views0 comments

Comments


bottom of page