top of page
Search
  • Writer's pictureGiulia Drummond

History, prehistory: How my story begins...

(português abaixo)

I was born from a couple of musicians. My parents met at a music school, where both taught. My mom was a flute teacher, and my father, guitar (and base, and keyboards…). When my mom was pregnant with me, she was rehearsing Pat Metheny’s “Last Train Home”. I am pretty sure I was very much enjoying that music from inside her womb. Til this day, it’s my favorite, amongst all the favorites: Last Train Home.

My mom ended up dropping music to work with other things. My father is still a musician, and a brilliant one too.

When I was around five, he started to teach me how to play the keyboard. And I learnt quite easily. Guess I had a good ear for music. When I was already familiar with the notes, I would very easily start playing any song that I wanted. I never thought I would be a singer, though. I used to sing in my school’s choir, and no one would think much of my kind of husky voice. But I loved writing songs and pretending I had a real band.

I studied in a catholic school (Colégio da Companhia de Santa Teresa de Jesus). Although it was religious, it had a very nice humanitarian and inclusive approach of education. Our personal talents were nurtured, we learned about Brazilian folklore... Also, it was a very old and very big building, which would give wings to my imagination. There, I started writing poetry, when I was only eight years old and the teacher, Jurema, immediately saw that I had something powerful to develop.

Also, I was brought up in a very catholic family. My grandmother is even a catechist. At some point, all the grandkids would have to go to church, have their first communion. But I started going to church with her way before I “had to”. There was something about it all that fascinated me. Of course, being a child, I had no idea what it was. But I was dedicated to it until my teenage years, when I got a little deluded and went researching other possible religions. I tried buddhism, but figured it wasn’t for me. I researched about Wicca, identified with the ideas, but when I met some practitioners, I didn’t identify with them. So, in a field of research, I found that I really liked paganism, but maybe I wasn’t a proper pagan.

So, I was nothing. And I was everything. Through music, I started to know a bit about the Afro-Brazilian religions (which, in my catholic family, were a sort of tabu). I fell in love with that musicality, with the way the drums and chants could promote such intense effects on people. It was around that time when I got my first drum, as a gift from Mauricio Tizumba, an amazing Brazilian artist, who became my great friend.

More or less at the same time, I started theater classes. And every Saturday, after the classes, we would have a soirée of music and poetry. There, I started singing. My father’s friend Daniel Ansor was playing there and asked me to sing a song. I thought “Why not”, and sang. I realized I was better than I expected. And people really seemed to like it. I was about 14, 15.

A lot of things happened from there. I wanted to be a psychologist and work with mental health. I thought music was going to be more like a hobby. So I went to study psychology and ended up working exactly where I wanted: Museu de Imagens do Inconsciente (Images of the Unconscious Museum), inside Instituto Municipal Nise da Silveira. I know that this is a blog about Magical Music, but I find it very important to talk a bit about the museum - which I’ll just call MII - and my work there. Nise da Silveira was a revolutionary psychiatrist in Brazil who created a whole new method of treatment in mental health no one had seen before in that part of the world: the main word is Afeccion. Then, Expression. She gave the patients the possibility to express themselves drawing, painting, sculpturing… She actually called them clients, to give them a more active role in their own treatment. She was in touch with C. G. Jung, and she was the one who brought his theory to Brazil. Later, she created the museum to keep and exhibit the works made by the clients. Also to study the images. We call it a “living museum”, for it has not only the exhibition areas, but also the studios, where the clients still go to draw and paint, sculpt, write… And I worked there for nine years, in which I not only worked in the traditional painting studio, but also developed a poetry workshop with them, and later, music and singing workshops. Well, nine years is enough time for a lot to happen, and I’m sure I gave the best of me there. The music workshops actually started like this: we got an invitation to exhibit some of our clients’ works in a big exhibition in honor of one of Brazil’s greatest singers, Maria Bethânia. My supervisor, Gladys Schincariol gave me the task of thinking what kind of work we would develop to bring to that very important exhibition. So, every friday morning - we called it Sextas Bethânicas or “Bethanical Fridays” - I would be together with the clients, listening to Bethânia’s records and drawing, painting, writing, inspired by her sonority. Some days we would also dance, and even try and write our own songs. It was a beautiful project, our participation in the exhibition was very special. After that, no one wanted to stop these musical mornings, so we chose another Brazilian singer-songwriter, the magical Milton Nascimento. His voice was always very present in my life, so it was just as beautiful to work with his music. And then, at some point, I felt that project ended. But it didn’t take long before the new phase came. I ran into one of the clients, and she was very nervous because she had lost her voice and she needed to sing in an event inside the institute. So, I took her somewhere more private, calmed her down with breathing exercises and some vocal warmups. Also taught her a wee Indian lullaby for her to calm herself whenever she got nervous again. Well, her voice came back. She was so thankful she wanted me to do these sessions with her again. I thought of doing them individually, but the other clients heard of it and were interested in taking part. So, we started the Quintas da Voz (Voice Thursdays), and it was beautiful. Breathing and vocal exercises, and I would teach them songs and chants from different traditions, in different languages… also, some days I would suggest a theme and ask them to bring songs on that theme. It was an amazing project. These nine years working in the MII gave strength to the healer within me. There, I could clearly see how arts in general can heal, and I could especially practice healing through music, through singing.

This next photo is from an event inside the institute:


"Loucura de Portas Abertas", holding hands with Rogerinho. Photo: Marcus Alcoforado


Agora, em português!

História, pré-história, o começo da história...

Nasci de um casal de músicos. Meus pais se conheceram numa escola de música, onde ambos ensinavam. Minha mãe, professora de flauta. Meu pai, de violão (e guitarra, baixo, teclado…). Quando minha mãe estava grávida de mim, estava ensaiando “Last Train Home”, do Pat Metheny. Tenho certeza de que eu estava curtindo muito de dentro do útero. Até hoje, “Last Train Home” é minha música favorita de todas as favoritas.

Minha mãe acabou se afastando da música - como praticante, jamais como apreciadora. Meu pai ainda é músico, e brilhante diga-se de passagem.

Quando eu tinha por volta de cinco anos, meu pai começou a me ensinar a tocar teclado. Eu aprendia com bastante facilidade. Tinha bom ouvido pra música. Quando eu já tinha me familiarizado com as notas, poderia facilmente tirar de ouvido qualquer música que quisesse, com pouca técnica, mas com desenvoltura. Contudo, nunca pensei que seria cantora. Uma época, cantei no coral da escola, e ninguém achava minha voz rouca muito promissora. Por outro lado, eu sempre amei escrever canções, e com minhas duas melhores amigas, fingíamos ser uma banda de verdade.

Estudei numa escola católica (Colégio da Companhia de Santa Teresa de Jesus) na Tijuca, Rio de Janeiro. Apesar de religiosa, a escola tinha uma abordagem bastante humanitária e inclusiva. Nossos talentos pessoais eram nutridos, aprendíamos folclore brasileiro... Além disso, era (e ainda é) uma construção enorme e muito velha, o que dava asas à nossa imaginação. Lá, comecei a escrever poesia quando tinha apenas oito anos de idade, e a professora Jurema viu que eu tinha algo poderoso a desenvolver.

Além disso, também fui criada numa família muito católica. Minha avó materna é catequista. Em algum ponto, todos nós, netos, deveríamos ir pra igreja, fazer primeira comunhão. Mas eu comecei a frequentar a igreja muito antes do momento em que “teria que ir”. Havia algo ali que me fascinava. Claro, sendo criança, eu não tinha ideia do que era. Mas eu me dediquei até chegar à adolescência, quando me senti um bocado desiludida e saí em busca de outras possíveis religiões. Eu tentei o budismo, mas não era pra mim. Eu pesquisei sobre Wicca, me identifiquei com as ideias, mas quando conheci praticantes, não me identifiquei com aquelas pessoas. Então, num campo de pesquisa, descobri que realmente gostava do paganismo, mas talvez sem ser propriamente uma pagã.

Photo: PH de Noronha

Então, eu era nada. E era tudo. Através da música, comecei a conhecer um pouco sobre as religiões afro-brasileiras (que, na minha família católica, eram uma espécie de tabu). Eu me apaixonei por aquela musicalidade, fiquei fascinada com a forma como os tambores e cânticos podiam promover efeitos tão intensos nas pessoas. Foi por volta dessa época que ganhei meu primeiro tambor, presente de Maurício Tizumba, incrível artista brasileiro, que se tornou um grande amigo.

Mais ou menos ao mesmo tempo, comecei a fazer aulas de teatro. E todo sábado, após a aula, tínhamos um sarau de música e poesia. Foi ali que comecei a cantar. Daniel Ansor, amigo de meu pai, estava tocando e me perguntou se eu queria cantar algo. “Por que não, né”, e cantei. Percebi que foi melhor do que eu esperava. E as pessoas realmente pareceram gostar. Eu tinha entre 14 e 15 anos. Muitas coisas aconteceram a partir dali. Eu queria ser psicóloga e trabalhar com saúde mental. Pensei que a música seria mais como um hobby na minha vida. Então fui estudar psicologia e acabei indo trabalhar exatamente onde queria: no Museu de Imagens do Inconsciente, dentro do Instituto Municipal Nise da Silveira. Eu sei que este é um blog sobre Música Mágica, mas considero muito importante falar sobre o MII, criado pela revolucionária psiquiatra Nise da Silveira, pioneira em um método de tratamento até então inédito em saúde mental naquela parte do mundo: o Afeto. E a Expressão. Ela deu aos pacientes a possibilidade de se expressarem através de desenho, pintura, modelagem… Ela se referia aos pacientes como clientes - termo ainda usado no MII - dando a eles papel ativo em seu próprio tratamento. Ela trocou correspondências com C.G. Jung, e foi ela quem trouxe a teoria dele pro Brasil. Mais tarde, ela criou o museu para preservar e expôr as obras criadas pelos clientes. E também para estudar as imagens. Nós chamamos de “Museu Vivo”, pois não tem apenas as áreas de exposição e reserva técnica, mas também os ateliês, aonde os clientes ainda vão para desenhar, pintar, esculpir, escrever… E eu trabalhei lá durante nove anos, em que não apenas era monitora nos ateliês mas também desenvolvi oficinas de poesia com os clientes, e mais tarde, de música e de canto. Bom, nove anos é tempo suficiente pra muita coisa acontecer, e tenho certeza de que dei o meu melhor lá. As oficinas de música, na verdade, começaram assim: fomos convidados para expôr alguns dos trabalhos de nossos clientes em uma grande exposição em homenagem a uma das mais importantes cantoras brasileiras: Maria Bethânia. Minha supervisora, Gladys Schincariol, me deu a tarefa de encabeçar essa empreitada. O que levaríamos a essa exposição? Então, toda sexta-feira de manhã eu tinha um encontro com os clientes - chamávamos “Sextas Bethânicas” - em que ouvíamos os álbuns de Bethânia e eles desenhavam, pintavam, escreviam, inspirados pela sonoridade dela. Em alguns dias, também dançávamos, e até experimentamos compôr nossas próprias canções, em grupo. Foi um lindo projeto, nossa participação na exposição foi muito especial. Depois disso, ninguém queria parar essas manhãs musicais, então escolhemos outro cantor-compositor brasileiro, o mágico Milton Nascimento. Sua voz sempre foi muito presente na minha vida, então foi mais um belo trabalho, com as músicas dele. Até que, em algum ponto, senti que o projeto chegara ao fim. Mas não demorou para uma nova fase chegar. Um dia, eu cruzei com uma de nossas clientes, e ela estava muito nervosa porque perdera a voz e precisava cantar em um evento lá do instituto. Eu a levei a um local com mais privacidade e a acalmei com exercícios de respiração e alguns aquecimentos vocais. Também ensinei a ela uma canção de ninar indiana para que ela se acalmasse quando sentisse a ansiedade voltando. E de fato, com os exercícios, a voz dela ganhou força e ela pôde cantar no evento. Ela ficou muito grata e me pediu que eu fizesse mais sessões como aquela. Pensei em fazer isso. Com ela, individualmente. Mas os outros clientes ficaram sabendo e também mostraram vontade de participar. Assim, começamos nossas Quintas da Voz, e foi lindo. Fazíamos exercícios respiratórios e vocais, e eu lhes ensinava cânticos de diferentes tradições, em diversas línguas… Em alguns dias, eu sugeria um tema e pedia que eles trouxessem canções dentro daquele tema. Foi um projeto incrível. Esses nove anos trabalhando no MII deram força à curandeira em mim. Lá, eu pude claramente ver como a arte cura, e pude especialmente praticar a cura através da música, através do canto.



59 views0 comments

Comments


bottom of page